Dois pensamentos aos leitores e leitoras deste blog.

Dois pensamentos de boas-vindas aos leitores e seguidores deste blog:
- Mesmo que vivas um século, nunca deixes de aprender!!!
- O importante não é saber tudo, e sim, nunca perder a capacidade de aprender!



sábado, 25 de julho de 2009

VISITA DO PAPA JOÃO PAULO II À CIDADE DE SÃO LUÍS – MARANHÃO - CONT. E FINALIZAÇÃO DA PARTE 1


VISITA DO PAPA JOÃO PAULO II À CIDADE DE SÃO LUÍS – MARANHÃO, NO DIA 14 DE OUTUBRO DE 1991

( O desabafo em detalhes de uma grande emoção...)



O Senador José Sarnei cumprimenta o Santo Padre na chegada ao aeroporto de São Luis – Maranhão.



As multidões na Ponte São Francisco, saúdam a passagem de João Paulo II no papa-móvel.

Nesse momento os seminaristas aguardavam o Sumo Pontífice na Igreja de Santo Antônio.


No dia 14 de Outubro de 1991, o Papa João Paulo II visitava São Luís – Maranhão. O povo Maranhense ficou numa grande expectativa ante a chegada do Vigário de Cristo em sua terra. Nós, seminaristas, nem se fala, principalmente porque o Santo Padre seria hospedado no Centro Teológico do Maranhão, prédio ligado ao nosso Seminário, cuja pequeníssima separação era a nossa quadra de esporte.

A Expectativa era geral. Estávamos todos envolvidos em plena festa já de maneira antecipada pelo clima dos preparativos ante a grande festa que estava para acontecer.




Diante de tudo isso, veio a grande e feliz surpresa para mim. Encontrava-me na Faculdade, na Sala de Aula, quando alguém (não me lembro) me chamou para dirigir-me ao refeitório do seminário. Saí da sala de aula sem ter a mínima idéia do que iria acontecer comigo. Lá chegando, encontrei o Pe. Panico (hoje, Dom Panico, Bispo da Diocese do Crato), que falou que eu havia sido escolhido para acolitar (ajudar) e, naturalmente comungar na Missa presidida pelo Santo Padre. Não me contive de tanta alegria. Agradeci ao Pe. Panico,( parece-me que na época, ele era mestre de cerimônia da Arquidiocese), e saí correndo em direção ao orelhão telefônico que havia na sala de recepção do seminário, para dar a boa e feliz notícia para minhas queridas tias. Depois retornei a sala de aula, mas confesso que não entendi mais nada do que o padre-professor estava explicando, pois meus pensamentos, alegria, emoção e expectativa, se misturavam no liquidificador de minha mente. A CPU de minha mente estava processando dados de felicidade e agradecimento a Deus pelo grande presente a mim oferecido. Por que eu no meio de tantos seminaristas? Perguntei a mim mesmo... porém, não encontrei resposta. Depois, calmamente, tive a resposta: “ Deus é maravilhoso e em sua misericórdia e bondade, quis dar-me esse presente por amor e com amor”, presente esse que nunca esqueci e que jamais vou esquecê-lo.


Foi um grande e inesquecível presente: receber Nosso Senhor Jesus Cristo eucaristicamente, das mãos de um Papa, ou melhor, de um Papa Santo. Eu não tinha méritos pra tão grande presente, mas Jesus em sua inexplicável MISERICÓRDIA, me fez por merecer tão grande novidade. Deus é maravilhoso!!! Deus é 10!!!


Estava se aproximando a chegada do Papa a São Luis. Juntamente comigo foram escolhidos mais dez seminaristas. Éramos onze ao todo, entre os estudantes de filosofia e teologia.


Uma semana antes os dois monsenhores, mestres de cerimônia do Santo Padre, estiveram em São Luís e ensaiaram conosco a cerimônia no altar já montado no Aterro do Bacanga. Em seguida fomos à costureira para as medidas das túnicas que seríamos revestidos para a celebração. Daí em diante era só expectativa... pura expectativa... Às pressas,lembro-me que ao comprar os sapatos, comprei-os um número menor... e logo após a Santa Missa, em meio a multidão, tirei os sapatos, presentei-os a um diácono amigo e fui descalço para o seminário... (Risos) Estava tão feliz que nem me importei do fato de estar calçado ou descalço no retorno ao seminário...


1991 a 2009 = 18 anos


Aqui estou, após 18 anos da vinda do Santo Padre ao Maranhão revestido com a mesma túnica que a vesti naquele momento e com o mesmo óculos que usei. Naquela época eu tinha 32 anos e hoje tenho 50. Como o tempo passou rápido.



Tive que mexer no baú para encontrar a Túnica e os óculos para tirar essa foto. Quase não consegui tirá-la, pois minhas tias ficaram rindo e fazendo gracinha para eu não me concentrar. Mas foi muito bom me revestir com esta túnica na qual vivi grandes emoções.


Vários encontros – muito de perto – com o Santo Padre


Deixando a modéstia de lado, vou registrar os momentos que tive oportunidade de estar muito perto do Papa.







Primeiro Encontro: Quando João Paulo II chegou ao aeroporto em São Luís, dirigiu-se no papa-móvel a Igreja de Santo Antônio, a nossa Igreja. Dentro da Igreja já tinha uma equipe da Rede Globo preparada para o evento. Era um domingo à noite e a matéria foi levada ao ar, ao vivo, durante o Programa do Fantástico. Na Igreja de Santo Antônio, estavam os bispos, os padres, os seminaristas, os religiosos e religiosas de São Luis. Todos nós estávamos portando – cada um – um documento entregue pela polícia federal, chamado de credencial. Só podia entrar na Igreja com a apresentação desse documento.


Credenciais




Esta credencial deu-me acesso à entrada na Igreja de Santo Antônio




Esta credencial deu-me acesso ao altar onde o Papa iria presidir a Santa Missa


Segundo Encontro: No outro dia, pela manhã, nos dirigimos ao Aterro do Bacanga... Lá chegando, depois de revestidos com a túnica litúrgica, um dos monsenhores do Vaticano, nos colocou perfilados, um ao lado do outro e nos apresentou ao Santo Padre. Nesse momento os onze seminaristas, um a um, beijou a mão do Sumo Pontífice.


Terceiro Encontro: Eu (responsável pelo turíbulo) e o Frei Franklin (responsável pela naveta), fomos convidados por um dos mestres de cerimônia do Vaticano a adentrar na Sacristia onde se encontrava João Paulo II. Ao chegarmos à Sacristia o Santo Padre estava se preparando para vestir os paramentos. Aproximamo-nos dele e ele nos perguntou a que “Ordem” nós pertencíamos. Frei Flanklin, respondeu: sou Frade Capuchinho, e eu respondi: sou seminarista diocesano. Em seguida, o Papa nos olhou e disse: “Jovens do futuro, rezem pela nossa Igreja!”


Em seguida, o mestre de cerimônia pediu-me para levantar o turíbulo e o Santo Padre tirou o incenso da naveta e o colocou no turíbulo abençoando-o. Como a fumaça começou a sair... tivemos que nos retirar da sacristia.


Quarto Encontro: No momento da Santa Missa, durante o ofertório, aproximei-me do altar com o turíbulo, levantei-o um pouco diante do Santo Padre e ele colocou o incenso no turíbulo. Em seguida entreguei o turíbulo ao diácono e ele o entregou ao Santo Padre. Permaneci no altar, enquanto o Santo Padre incensava as ofertas...


Fotos em sequência no momento do ofertório



Obs.: Estou próximo à cadeira Papal (à esquerda).



Obs.: Estou próximo à cadeira Papal (à esquerda) fazendo o gesto da “vênia” ao Papa, que significa “reverência”.



Nessas três foto, eu estava segurando o Turíbulo, enquanto o Diácono segurava a Naveta, e o Papa tirava o Incenso da Naveta para colocá-lo no Turíbulo.



Momentos marcantes...



Momentos Emocionantes...


Quinto Encontro: No momento da Sagrada Comunhão, os onze seminaristas dirigiram-se ao local da distribuição da Sagrada Eucaristia, e por ordem de tamanho – entre os onze – fui o primeiro seminarista a receber Jesus das mãos do Santo Padre.



Ambas as fotos mostram o Lusmar comungando com o Papa, sendo que a segunda foto destacada com um círculo focaliza mais nitidamente a minha pessoa.





Foto oficial tirada pelo fotógrafo do Vaticano, Arturo Mari, que passou meio século ao lado de seis Papas. Como comprovante da veracidade desta foto, veja os escritos e o selo oficial do Vaticano contido no verso da mesma.


Arturo Mari



Padre Meireles residia no mesmo seminário em que eu morava. Durante os preparativos de sua ordenação presbiteral, colaborei com alegria naquilo que estava ao meu alcance... Seus novos paramentos (vestes litúrgicas), eu os engomei e os entreguei de maneira impecável, pois tratava-se da ordenação de uma pessoa simples, humilde e muito querida por todos.

Quando o Papa esteve em São Luís do Maranhão, Pe. Meireles encontrava-se em Roma. Certo dia, Pe. Meireles foi visitar a exposição de fotos da visita do Papa ao Brasil. Nesta visita, ele encontrou minha foto, comprou-a e enviou-a pelos Correios. Foi uma grande surpresa esse presente que Pe. Meireles me deu (confira o agradecimento de Pe. Meireles à minha pessoa na foto acima).



A foto acima foi enviada pelo Pe. Meireles à minha pessoa logo quando chegou a Roma. Leia os escritos...


(Esta foto foi no momento em que Dom Paulo Pontes ungia as mãos sacerdotais do Pe. Meireles no momento de sua ordenação. Nesta cerimônia eu estava auxiliando o Bispo, segurando o livro que continha a cerimônia de ordenação presbiteral.)


Sexto Encontro: Após a Santa Missa, o Monsenhor... novamente nos reuniu – um ao lado do outro – para nos despedirmos de João Paulo II.

Nesse momento todos nós cumprimentamos o Santo Padre e ganhamos dele um terço.



Este terço eu o guardo com muito carinho. Seu valor é inestimável.


Obs.: No momento da homilia (sermão) nós, os onze seminaristas, ficamos sentados um ao lado do outro ouvindo a pregação do Santo Padre. Aconteceu que o seminarista que estava responsável pelo báculo do Santo Padre, estendeu sobre nossas pernas o símbolo do Pastor e nós tivemos a oportunidade de olharmos à vontade o báculo que João Paulo II conduzia em todas as celebrações litúrgicas.



Estive muito perto de um homem santo, que ao qualquer momento o Papa Bento XVI, poderá anunciar a beatificação dele e, posteriormente, a canonização. Jamais irei esquecer esses dias.

Sou e continuarei sendo grato a Deus por tamanha bondade.



Ao término da Santa Missa, o Santo Padre cumprimentou aos Padres concelebrantes, e no meio deles encontrou, abraçou e beijou a cabeça de um Sacerdote com 90 anos. Chamou-me a atenção esse bonito e acolhedor gesto de pai do Santo Padre.


Saída do Papa do Centro Teológico do Maranhão, acompanhado de Dom Paulo Pontes, Arcebispo de São Luís – MA



Papa-móvel se dirigindo ao aeroporto...



Continuação da viagem ao aeroporto...





Governador do Maranhão presenteando o Santo Padre...



Santo Padre se dirigindo ao avião...


Fotos do material que comprova a veracidade dos depoimentos acima:




Fitas de Vídeo passadas para um CD



Terço presenteado pelo Papa





Foto ampliada pela foto original










Fotos encontradas nesta estante...







Últimas fotos tiradas em São Luís, como Seminarista (fotos presenteadas pela Irmã Letícia).



Só para finalizar...



Eis o Altar que foi preparado pelo povo do Maranhão para que o Papa pudesse celebrar o augusto sacrifício da Santa Missa. Atualmente, este palco é usado com os eventos da Secretaria de Cultura do Estado do Maranhão.



Esta foto foi no momento em que João Paulo II encerrava a Santa Missa com a bênção final.

ENCERRAMOS AQUI A PRIMEIRA PARTE DA FESTA DA GRATIDÃO
SEGUNDA-FEIRA, DIA 27, DAREMOS INÍCIO A SEGUNDA PARTE COM OS AGRADECIMENTOS A DEUS, MINHAS TIAS, FAMILIARES E PESSOAS AMIGAS, QUE ME AJUDARAM A SER GENTE, CRISTÃO E A AMAR A VIDA.

4 comentários:

Daniel disse...

Prezado Lusmar!!!!
quantas histórias lindas de se ler e viver...
Isso tem que virar livro, viu!
Imagina o que ainda vem por ae...
abraço e parabéns pelos escritos.

Lusmar Paz Leite disse...

Daniel, parte dessa hitória, entrará com certeza no livro que estou quase concluindo sobre os 90 anos de nossa querida paróquia da Imaculada Conceição.
Reze para que tudo dê certo.
Obrigado pelo apoio às postagens sobre a minha Festa da Gratidão!

Luis Henrique disse...

Bom dia meu irmão
Não era ainda nascido quando o Papa veio aqui em São Luís. Queria muito poder assistir a celebração pelo DVD.
Sabe como consigo esse DVD?

raimundo meireles disse...

Luzmar seu blog é o melhor que existe sobre detalhes da passagem do Papa João Paulo II em São Luís ,MA